UNION, NJ | Mais de três centenas de pessoas na vigília em memória de Jason Lopes

    1174

    Union 3a copy

    Mais de três centenas de pessoas estiveram presentes na vigília em memória do jovem Jason da Silva Lopes que decorreu na noite frígida da passada sexta-feira. Se os serviços fúnebres foram marcados por fortes manifestações de pesar, neste pedaço de noite ainda eram bem visíveis os traços de tristeza nos rostos pelo menos de quem de mais perto tem acompanhado estes dias que se sucedem ao desaparecimento deste jovem.

    “Ainda não consigo acreditar. Muito vezes vou para a janela para vê-lo chegar a casa, não sei até quando poderei suportar esta dor”, disse o pai do Jason, inconsolável.

    A vigília teve lugar no Volunteer Turf Field, na Stanley Terrace, em Union, o campo onde o Jason jogava futebol com a sua equipa. As centenas de pessoas fizeram um círculo no centro do terreno com as velas acesas em punho, e nem o vento cortante fez arredar pé enquanto a cerimónia não terminou.

    Os pais, as irmãs, os avós e outros familiares do Jason ocuparam o centro do terreno, à volta as centenas de pessoas, sobretudo muitos jovens, aguardavam palavras de ânimo e de conforto para a família.

    Também presente esteve o “Mayor” de Union, Manuel Figueiredo, que usou da palavra e exprimiu os seus sentimentos à família enlutada, que tinha junto a si o treinador do Jason, Lester Lembryk.

    O presidente da Union Soccer League, Pedro Sousa, coordenou os trabalhos e da mesma forma manifestou o seu pesar pelo quanto significa para a família a perda deste ente-querido, e deste promissor futebolista.

    Na sua intervenção o Padre João Carlos também não conseguiu disfarçar a sua emoção, mas foram de ânimo as palavras que endereçou à família, aos amigos e a todos os presentes.

    Conforme o Luso-Americano noticiou na devida altura, Jason da Silva Lopes, 16 anos de idade, faleceu subitamente, e tragicamente, no passado dia 3 de Janeiro quando procedia a exercícios de preparação física na sua residência.

    Frequentava o 11º ano no liceu de Union, e jogava futebol numa equipa filiada na Union Soccer League. Sem antecedentes de saúde que fizessem prever tal desfecho, a sua morte foi dolorosamente sentida por todos.