“Sandy” deixou marcas em 450 mil casas em New Jersey. A factura da reconstrução ronda os 143 biliões

    911

    flooding

    Cerca de 450 mil casas em Nova Jersey estão à espera de reconstrução em função da tempestade “Sandy” que afectou sobretudo as zonas costeiras da costa leste em 2011. As casas mencionadas representam cerca de 134.000 milhões de dólares em custos potenciais de reconstrução.

    Só na Flórida, Louisiana e New York existem mais casas a precisar de obras do que em New Jersey, de acordo com um relatório do CoreLogic, uma empresa de análise pós-catástrofes localizada na Califórnia.

    Apesar dos danos causados por grandes tempestades como o furacão Sandy, Thomas Jeffery, cientista da CoreLogic, disse esperar que as pessoas continuem a construir nas comunidades costeiras do país, colocando mais propriedades em risco.

    “As pessoas constroem nestas zonas porque querem ter acima de tudo uma grande qualidade de vida e uma beleza cénica única,” disse e estão dispostas a pagar mais por isso, mas os riscos são maiores.”

    Apesar de New Jersey ter um litoral menos expansivo do que estados como a Flórida e Texas, o estado jardim ainda está entre os cinco primeiros no número de casas expostas a calamidades naturais. O relatório menciona a baixa altitude de Nova Jersey o que permite empurrar as tempestades para a costa colocando em perigoas propriedades mais próximas da água.

    A Sandy causou centenas de milhões de dólares de prejuízo. Por exemplo, em Sandy Hook, a tempestade levou o nível de água a mais de 13 metros de altura, ultrapassando o anterior ercord de 10.1 metros.

    Ao longo das costas do Atlântico e do Golfo, mais de 6,5 milhões de casas encontram-se vulneráveis a tempestades desta dimensão, segundo o relatório. Este número representa 1,5 triliões de dólares em potenciais custos de reconstrução, a maioria dos quais está concentrada em 15 grandes áreas metropolitanas.

    A área metropolitana de New York, que inclui o norte de New Jersey e Long Island, está mais em risco, tanto para o número de casas vulneráveis como para os custo associado à recosntrução, logo seguido de Miami.

    Tembém em New York cerca de 690 mil casas estão em risco, segundo o relatório, o que representa custos de reconstrução na ordem dos três biliões de dólares.

    Embora não se prevejam furacões intensos este ano, “a chegada antecipada do Furacão Arthur no dia 3 de Julho foi um lembrete importante de que mesmo um furacão de baixa categoria ou forte tempestade tropical pode criar problemas.