Saint Barnabas e Prime Healthcare competem pelo Saint Michael Medical Center

    992

    SaintMichaels_ext

    Na iminência da falência do Centro Médico Saint Michael, o Prime Healthcare da Califórnia e o Saint Barnabas, de New Jersey competem aguardando há cerca de 2 anos pela decisão do estado.

    Funcionários dos dois hospitais negociaram palavras difíceis em documentos judiciais apresentados antes de audiência da passada segunda-feira.

    Um dos advogados do Saint Barnabas, Kenneth Rosen opõe-se a um acordo que diz favorecer o Prime, iniciando a licitação em 49.100 milhões de dólares – preço de compra do Prime. Todas as propostas devem ser enviadas para o hospital até ao dia 3 de Novembro, e uma audiência sobre a venda está prevista para 12 de Novembro, data em que se espera que o juiz apresente a sua decisão.

    “É muito encorajador que o processo de falência esteja a decorrer conforme o projecto e esperamos que leva a uma venda bem sucedida e à continuidade dessa excelente instalação”, disse o advogado do Saint Michael.

    O Saint Michael perdeu $20 milhões em 2014 e perdeu 9 milhões até agora, este ano, segundo directores do hospital.

    Os proprietários do Saint Michael entraram com um pedido de protecção contra uma possível falência para salvar o hospital e os empregos de cerca de 1400 trabalhadores.

    O Saint Barnabas e outros pretendentes concorrentes terão que fazer mais do que apenas superar a oferta de compra do Prime. O objectivo do Saint Michael é a sobrevivência. Além dos 49,1 milhões oferecidos o Prime está disposto a gastar 25 milhões dólares em melhorias de capital e comprometer-se a manter as instalações em execução como um hospital durante pelo menos cinco anos.

    “Em última análise, no entanto, o futuro do Saint Michael está nas mãos do estado”, disse o professor do Seton Hall, John Jacobi. “Sem a aprovação do Estado, não é provável que nenhum negócio seja feito, disse.

    O comissário de saúde tem um “mandato” para decidir “o que é melhor para a população de Newark”, disse Jacobi. “Queremos que as pessoas sejam capazes de chegar depressa ao hospital para que se sintam seguros. Mas não é um custo insignificante manter um hospital”, disse.

    Um consultor emitiu um relatório em Março pago pelo Estado no qual se refere a existência de demasiados hospitais na área de Newark.

    A empresa de consultadoria Navigant Consulting sugere que o Saint Michael e o East Orange Hospital sejam convertidos em unidades ambulatórias, o que muitos contestam.