Problemática da educação em Newark continua ao rubro

1610

Frankie Adao presidente da PAON.cartaz

Continua a saga educativa em Newark.
Cerca de 700 professores correm o risco de vir a ser despedidos debaixo do plano implementado pela superintendente da educação, Cami Anderson. Esses professores serão substituídos por cerca de 300 novos professores associados à organização Teach for America.
A voz dos professores e alunos chegou à reunião mensal do Comité de Ensino de Newark, que decorreu na segunda-feira na escola Rafael Hernandez, na cidade de Newark, e na qual Cami Anderson não participou.
Numa carta enviada à presidente do Comité de Ensino de Newark, Antionette Baskerville-Richardson, Cami Anderson referiu “que não irá participar nas reuniões mensais do comité se a assistência não puder ser controlada”. Isto numa clara referência aos episódios ocorridos no passado mês de Janeiro, na sequência dos quais Superintendente abandonou a sala depois de um dos pais ter feito referência o filho de Cami Anderson no seu discurso.
Na reunião de segunda-feira, professores, encarregados de educação e estudantes expressaram o seu descontentamento uma vez mais contra o “One Newark Program”, e o possível despedimento de professores, que segundo os mesmos serão substituídos por outros professores sem as necessárias qualificações e com salários bastante mais inferiores. Segundo vários dos intervenientes essa solução criará um fosso ainda maior no já paupérrimo sistema educativo de Newark.
Frankie Adão, presidente do sindicato Newark Parents Union referiu que “Se a superintendente não quer reunir-se com os encarregados de educação, talvez seja melhor organizarmos a próxima reunião às portas da sua residência, assim ela poderá ouvir as nossas vozes”.
A proposta de lei S966/A2216, que visa  uma maior intervenção comunitária em assuntos  escolares, nomeadamente a instituição de referendos  antes que escolas possam vir a ser fechadas, encontra-se em discussão no senado estatal.
Ao mesmo tempo o Luso-Americano sabe que o senador Ron Rice, um dos patrocinadores da proposta, se prepara para anunciar uma investigação ao One Newark Program e à superintendente Cami Anderson, investigação que será apelidada de NEGate.