PERTH AMBOY, NJ | The Manhattan Camerata trouxe espectáculo de luxo

    926

    Nathalie Pires

    Projecto Fado Tango é a designação do espectáculo que a Manhattan Camerata trouxe a Perth Amboy na última sexta-feira, o que foi considerado um espectáculo de luxo, mesmo daqueles em que são raras as oportunidades de serem apreciados fora do perímetro musical de New York.

    O mesmo teve lugar no auditório da escola McGinnis, onde cerca de duas centenas e meia de pessoas aplaudiram entusiasticamente as interpretações da orquestra, e também a os fados cantados por Nathalie Pires.

    De acordo com a organização muitos mais bilhetes foram vendidos, mas a chuva forte que caíu no fim da tarde terá impedido que a assistência fosse maior.

    A iniciativa para este espectáculo foi de Vivianna Acuna Francisco, que foi também a sua organizadora com o apoio do Departamento de Recreio da cidade de Perth Amboy e da própria presidente da Câmara Municipal, Wilda Diaz, que esteve presente.

    Embora o evento não tivesse sido propriamente inserido nas celebrações do Dia de Portugal, não lhe faltou o cunho português que acabou mesmo por ser intensificado por motivos imprevistos com a cerimónia simbólica do içar da bandeira e da entrega da Proclamação do Dia de Portugal em Perth Amboy. E não só por isto como também uma exposição de pintores portugueses na entrada do auditório dava a conhecer que a arte lusa pontificava por ali.

    Quanto ao espectáculo, que abriu com “Abril em Portugal” e prosseguiu com “Tango de la mujer gris”, os apreciadores de música de câmara certamente deram largas à sua curiosidade ao apreciarem os diferentes estilos desde a música medieval à música moderna, passando pelo tango não só várias vezes tocado pelo bandoneon do Daniel Binelli como também dançado por um jovem par. Outras músicas de sucesso foi o fado tango “Cansaço”, “Amor é Fogo”, “Imágenes de Buenos Aires” e “Folia”. Outros músicos que formaram a orquestra que veio a Perth Amboy, uma das várias versões, são o português Pedro Silva na guitarra portuguesa, Lucia Caruso e Polly Ferman no piano, Pedro Giraud no violão e Sami Merdinian no violino.

    Mas sem dúvidas que a estrela da noite, que actuou “em casa”, foi a fadista Nathalie Pires.

    Depois de interpretar vários fados com uma mistura de tango, acompanhada pela orquestra, a Nathalie desceu do palco para ficar mais perto da assistência, assim como Pedro da Silva que a acompanhou no fado ”Povo que lavas no rio”, que a assistência, maioritariamente não portuguesa, aplaudiu estrondosamente de pé.

    A “Mayor” Wilda Diaz, também excitada com o sucesso do espectáculo, entregou uma placa de reconhecimento ao casal Pedro da Silva e Lucia Caruso, compositores de uma boa parte das músicas ali tocadas, e directores da Manhattan Camerata.

    Quanto a Nathalie Pires, que é natural de Perth Amboy, a “Wayor” Wilda enalteceu o seu valor e pela primeira foi reconhecida pelas entidades máximas da cidade que a viu nascer, tendo-lhe sido entregue a respectiva Proclamação.

    Vivianna Acuna Francisco não escondia a sua satisfação pelo sucesso da festa, e referiu que está pronta para outras iniciativas.

    A Manhattan Camerata é uma orquestra original e inovadora que combina diferentes estilos, mantendo uma estética coesa. O seu reportório é focado em música antiga (medieval, renascentista, barroca), contemporânea, e “World Music”. A visão da orquestra é oferecer programas originais e inovadores