NEWARK, NJ: Paróquia de Nossa Senhora de Fátima celebrou 56º aniversário

    1827

    IMG_0293

    No passado sábado, decorreu no salão da Igreja Paroquial de Newark a festa do 56º aniversário da Paróquia Nossa Senhora de Fátima, na cidade de Newark.

    Cerca de quatro centenas de convivas marcaram presença no evento, entre eles o vereador da cidade de Newark Augusto Amador e a deputada à Assembleia da República Maria João de Ávila, para além de vários membros do clero em representação de outras paróquias, que assim se associaram às celebrações.

    Tina Branco, coordenadora do Conselho Paroquial, abriu as cerimónias dando as boas-vindas aos presentes e referindo depois a importância do papel da igreja no seio da comunidade, facto também assinalado pelo padre António Silva, pároco da mesma.

    Maria João de Ávila aproveitou no seu discurso para ler uma mensagem de Natal, enaltecendo o empreendedorismo de todos aqueles que representam a comunidade imigrante, referindo-se a eles “como os verdadeiros embaixadores da nossa cultura e tradições no mundo”.

    A paróquia Nossa Senhora de Fátima foi fundada em 1958 por um grupo de portugueses residentes em Newark tendo por primeiro pároco o saudoso padre Capote.

    A necessidade de uma paróquia portuguesa tornou-se evidente devido à presença de uma forte comunidade na cidade de Newark de origem portuguesa, numa época onde a imigração para os Estados Unidos se encontrava no auge.

    Ao longo de cinquenta e seis anos de existência a paróquia serviu como uma segunda casa para todas as famílias portuguesas. Hoje, somente cerca de 20 por cento dos seus paroquianos são residentes em Newark, mas o espírito de família e o papel fundamental da igreja faz com muitos mesmo residindo noutras áreas continuem a convergir e a fazer parte da paróquia nos dias de hoje.

    No domingo realizou-se a Missa solene de Acção de Graças presidida pelo pároco António Silva e onde se incorporaram vários membros do clero, numa verdadeira manifestação de fé, com a igreja paroquial a tornar-se pequena para receber a quantidade de fiéis que se associaram às celebrações.