Mau tempo em Portugal causa danos e muita destruição

1365

 

A Autoridade Nacional da Protecção Civil (ANPC) registou entre as 9h00 e as 22h00 de domingo 1.230 ocorrências devido ao mau tempo, a maioria quedas de árvores e de estruturas metálicas, tendo estado no terreno 4.639 operacionais apoiados por 1.608 veículos.
As adversas condições obrigaram mesmo ao adiamento do derbi Benfica-Sporting, ao encerramento de vias de circulação rodoviária e ferroviária, ao encerramento de portos de mar, à alteração de voos, etc.
A queda de uma árvore de grande porte na linha da Beira Alta, em Santa Comba Dão, levou à interrupção da circulação ferroviária,.
Em Camarate, no concelho de Loures, uma das paredes de uma escola ruiu, e em Sintra, os acessos à serra foram cortados e a estrada da frente marítima, na Praia Grande, foi encerrada ao tráfego.
No Porto a marginal na zona da Foz foi encerrada ao trânsito, às 18h00, por razões de segurança.
Três pessoas ficaram feridas, uma das quais com gravidade, na colisão de duas viaturas com uma árvore de grande porte caída na estrada, na Marinha Grande, informaram os bombeiros locais. Do primeiro veículo resultaram dois feridos — o condutor e o passageiro, este último em estado grave — e do segundo carro o outro ferido ligeiro.
“As vítimas foram transportadas para o Centro Hospitalar de Leiria”, explicou Vítor Graça, adiantando que no local estiveram 17 elementos apoiados por cinco viaturas dos Bombeiros da Marinha Grande, uma viatura médica de emergência e reanimação do Instituto Nacional d Emergência Médica e a GNR.
Os distritos mais afectados pelo mau tempo foram Lisboa, Setúbal e Coimbra, segundo a Protecção Civil.
Em Setúbal o mau tempo provocou cerca de 200 ocorrências, entre as 15h00 e as 21h00, sobretudo quedas de árvores e de estruturas, disse à agência Lusa fonte dos bombeiros.
Em Lisboa, o dérbi Benfica-Sporting foi adiado para terça-feira, por razões de segurança, devido à queda de detritos da cobertura, que deixou impraticável o relvado do Estádio da Luz.
No aeroporto da Portela, entre os 435 voos previstos para hoje, dez sofreram alterações, cinco não levantaram voo, quatro divergiram para o aeroporto de Faro e um para o de Madrid.
Nos Açores, dois voos da SATA, provenientes de Ponta Delgada, com destino a Lisboa foram cancelados.
O tráfego fluvial no estuário do rio Tejo “está suspenso” e a circulação ferroviária na Ponte 25 de Abril foi interrompida, tendo sido retomada de forma condicionada ao meio da noite, com a circulação de uma composição apenas na ponte, que serve as linhas de Setúbal e do Algarve.
Os passageiros dos comboios do Alentejo tiveram de fazer transbordo no Pragal, em Almada, e seguir de autocarro para Lisboa, disse fonte da CP à Lusa.
O trânsito no tabuleiro da ponte 25 de Abril continua condicionado, estando interdito a motociclos, veículos com capota de lona e a viaturas pesadas, devido à intensidade do vento.
A circulação faz-se apenas em duas faixas — norte/sul e sul/norte -, disse fonte da PSP.
Nove barras marítimas estiveram hoje fechadas à navegação devido ao mau tempo, duas outras “condicionadas”, de acordo com a página da Marinha Portuguesa na internet.

Caminha, Vila Praia de Âncora, Esposende, Póvoa de Varzim, Vila do Conde, Douro, Aveiro, Figueira da Foz e S. Martinho do Porto foram as barras que fecharam à navegação.

A Protecção Civil mantém o alerta laranja, o segundo mais grave, em todo o território, enquanto o Instituto Português do Mar e Atmosfera colocou em aviso vermelho, o mais elevado, todos os distritos do litoral continental devido à forte agitação marítima.