Ex-empreiteiro do Newark Watershed acusado de corrupção

    2993

    Watershed

    Donald Bernard Sr. teria recebido o dinheiro na sua conta, e usou um cartão Multibanco para pagar refeições, lavagens de carros e bilhetes para teatro, segundo as autoridades federais.

    Quando o proprietário da empresa em que trabalhava adoecia, Bernard alegadamente preenchia cheques em branco assinados pelo patrão para usar o dinheiro em seu proveito.

    Estas foram algumas das formas com que Bernard supostamente desviou pelo menos 730.000 dólares do Newark Newark Watershed entre 2008 e 2013, disseram as autoridades.

    Bernard, de 67 anos, de Newark, e outro dos empreiteiros, Giacomo “Jack” DeRosa, 58 anos, de Clinton Township, foram acusados por um grande júri federal de desvio de fundos.

    O advogado de Bernard, Thomas Ashley, disse que o seu cliente pretendia declarar-se inocente das acusações de que é alvo.

    “Não houve subornos ou desvios”, disse Ashley, acrescentando que ainda terá de rever a acusação com mais detalhe.

    Anthony Papa, o advogado que representa DeRosa, recusou comentar as acusações de que o seu constituinte é alvo.

    A acusação surge menos de um ano após a divulgação em Fevereiro de um relatório contundente de uma auditoria sob alegada má gestão, corrupção e gastos abusivos levados a cabo no Newark Watershed, empresa pública de abastecimento de água a Newark.

    O vereador do Bairro Leste, Agusto Amador foi o primeiro a alertar para más práticas ocorridas na agência.

    No relatório da quditoria, as autoridades estaduais acusam a ex-directora executiva da agência, Linda Watkins-Brashear, de atribuir contratos sem licitação a empresas relacionadas com Bernard.

    Questionado sobre se as autoridades federais estão a investigar Watkins-Brashear ou qualquer outra pessoa em relação a possíveis actos criminosos na agência, Matthew Reilly, um porta-voz da Fishman, apenas referiu que a investigação está em curso.

    Bernard trabalhou para a agência como consultor entre 2008 e 2009, e depois como assalariado entre Janeiro de 2010 e Março de 2013. Como funcionário da agência, Bernard foi gerente de Projectos Especiais.

    Enquanto trabalhava para a agência, Bernard foi responsável por contratar empreiteiros a quem atribuia operações da agência.

    Nessa qualidade, Bernard é acusado de aceitar subornos ocultos e não revelados de empreiteiros em troca de trabalho temporário, segundo as autoridades.

    Como parte do esquema, Bernard aceitava dos empreiteiros facturas falsas referentes e trabalhos que não tinham sido executados, disseram as autoridades.

    Entre Agosto de 2008 e Janeiro de 2011, por exemplo, Bernard recebeu cerca de 136 mil dólares em comissões de uma empresa de Newark, disseram as autoridades.

    Devido à condição física do proprietário da empresa para a qual trabalhava, Bernard conseguia cheques em branco assinados pelo proprietário, e endossava-os a si próprio ou à sua empresa de consultadoria, Bernard & Associates, segundo consta do processo.

    Noutro caso, Bernard recebeu quase 410.000 dólares em pagamentos de outro contratante, que incluiu o uso de um cartão Multibanco emitido em seu nome para sacar dinheiro e pagar as refeições, lavagens de carros e bilhetes para teatro, disseram as autoridades.

     

    As autoridades disseram que DeRosa estava envolvido no esquema através da sua empresa de construção, Essex Home Improvements, que recebeu mais de US$ 350.000 em pagamentos da agência entre 2008 e 2013.

    Entre j

    Janeiro de 2008 e Agosto de 2012, DeRosa supostamente deu cerca de US$85.000 a Bernard, directa ou indirectamente.

    Sob a orientação de Bernard, DeRosa financiava esses pagamentos em parte através da apresentação de facturas para a agência, as quais incluiam a despesa dos subornos e comissões como “serviços profissionais”, disseram as autoridades.

    Bernard foi indiciado por seis acusações de fraude contra a empresa, três acusações de extorsão, duas acusações de fraude electrónica e três acusações de lavagem de dinheiro.

    DeRosa foi indiciado por duas acusações de fraude electrónica, e três acusações de lavagem de dinheiro.

    De recordar que a administração da agência em questão é da responsabilidade do antigo Mayor de Newark, Cory Booker que já declarou nada ter a ver com a operação da Newark Watershed ou da sua directora executiva, Linda Watkins-Brashear, conhecida aliada e contribuinte de Booker.