ESTADOS UNIDOS | Chefe de cozinha luso-americano estreia programa de rádio em estação nova-iorquina

    1470

    AG Blue Apron Arms Folded Mezz

    Ele cozinha no 42.º andar de uma torre envidraçada na maior zona urbana do condado de Westchester – a cidade de White Plains. Recebe no seu restaurante, o ‘42’, a nata da classe política nova-iorquina, do governador Andrew Cuomo ao administrador-executivo do condado de Westchester, Rob Astorino, estrela ascendente do partido republicano; senta à nesa os jogadores da equipa Knicks de basquetebol, da NBA, com cujo treinador “falo todos dias” – revela, referindo-se a Mike Woodson (“adora a minha comida portuguesa”, acrescenta). Agora, o dinâmico cozinheiro de 44 anos chega às ondas hertzianas.

    O luso-americano estreou recentemente o espaço ‘Eat Me with Chef Anthony Gonçalves’, na emissora 1230 WFAS, que emite do estado de Nova Iorque. “É uma hora de programa semanal, às quintas-feiras, do meio-dia à 1:00 da tarde”, conta Gonçalves, em entrevista exclusiva ao LUSO-AMERICANO. “Falo sobre culinária, formas de estar na vida, música, um pouco de tudo o que acontece no meu quotidiano.”

    O programa radiofónico sucede depois de, em Setembro, ter feito uma remodelação profunda no conceito que norteia o seu restaurante – um projecto a dois de investimento inicial a rondar os 15 milhões de dólares onde tem sociedade com o construtor Louis Cappelli, uma espécie de versão ‘westchesteriana’ de Donald Trump.

    “Voltei ao prazer do básico da cozinha portuguesa, apresentada numa versão modernizada”, explica.

    O ‘42’ abriu as portas há 6 anos, no topo de uma das torres do luxuoso Ritz-Carlton de White Plains. É a afirmação de Gonçalves, que há dez anos se tornou chefe profissional aos comandos do ‘Trotter’s’, na mesma cidade.

    “Tenho muito orgulho das minhas raízes portuguesas”, sublinha o chefe, que é filho de emigrantes de Sabugal (a mãe, já falecida) e Póvoa de Penafirme (o pai). “O que se reflecte não apenas no menu, mas até na decoração do ‘42’”.

    Nas três vezes que o ‘New York Times’ avaliou o restaurante, o espaço mereceu 3 estrelas (ou a classificação “excelente” – sendo a crítica mais recente já posterior à remodelação efectuada).

    O restaurante abre apenas para o jantar, a partir das 4:30 da tarde, e oferece serviço de catering dentro e fora das suas instalações.

    Para Anthony Gonçalves, o prato favorito da cozinha portuguesa “é sem sombra de dúvidas carne de porco à alentejana. A combinação dos produtos da terra e do mar representa a essência do que é mais português no sabor.”

    Apesar de preferir não fazer grandes planos a longo prazo, revela que a sua próxima aposta profissional é a hotelaria. “Não sei como, nem quando nem onde”, avisa, “mas vejo-me clara e inevitavelmente a trabalhar nesse sector de actividade.”

    E deixa a dica sobre o restaurante em Portugal que aconselha “a clientes e amigos: a Cervejaria Ramiro”, na Avenida Almirante Reis, em Lisboa.