Estado de New Jersey corta orçamento dos vereadores de Newark

    1011

    city hall

    O estado de New Jersey planeia controlar as despesas da cidade de Newark em troca dos 10 milhões em ajuda transitória para resolver a crise orçamental de milhões de dólares da maior cidade do estado.

    A administração do Mayor Ras Baraka terá de obter a aprovação estatal para efectuar admissão de novos trabalhadores, incluindo a aprovação prévia para atribuição de subsídios.

    Perante um défice de 93 milhões dolares, a administração e o conselho municipal da cidade, Baraka teria acordado com Trenton aceitar 10 milhões de dólares em ajuda transitória, o que significa aceitar a supervisão financeira do Estado.

    Nos termos do acordo, os membros do conselho municipal da cidade também devem cortar em metade as suas despesas e cortar parte dos seus salários referentes ao orçamento de 2015.

    Os membros do Conselho recebem um salário $64.766 e US $18.000 em pagamentos em vez de despesas de cada ano, enquanto o presidente do conselho da cidade recebe um salário 71.375 dólares e US $20.000 para despesas, de acordo com o gabinete do secretário.

    Quando se aprovou o orçamento de 2014 Newark, no início deste ano, a Comissão de Finanças local já cortou mais de $174.000 no gabinete do secretário e mais de 170 mil dólares americanos a partir dos orçamentos dos vereadores.

    Na época, o Presidente da Comissão de Finanças Tom Neff disse que cidades de dimensão semelhante a Newark, como Jersey City e Paterson, têm salários significativamente mais baixos.

    Mas, sob o mais recente acordo, o escrivão da cidade e do conselho da cidade também devem apresentar um plano para reduzir as despesas para o orçamento de 2015.

    O vereador-principal Carlos Gonzalez, disse que o conselho está a discutir maneiras de lidar com os cortes orçamentais.

    O estado concordou em deixar cair uma disposição de um esboço anterior do acordo que permitiria uma redução substancial dos salários dos vereadores e do próprio Mayor.

    Não é a primeira vez que o estado tem ajudado Newark a resolver crises orçamentais.

    O estado exigiu cortes semelhantes em 2008, 2009, e 2012, quando concedeu a Newark 45 milhões depois, 12 milhões e mais 10 milhões em ajuda adicional respectivamente.

    O estado tem controlado o sistema escolar da cidade desde 1995, embora recentemente tivesse iniciado uma transição de controle fiscal do distrito de regresso para o conselho consultivo das escolas públicas.

    O Departamento de Justiça anunciou também a eventual necessidade de monitorizar a força policial da cidade e o estado concordou em mudar as finanças de Newark para a supervisão do Estado de forma a permitir que a cidade se torne mais flexível no pagamento da dívida.

    O estado está actualmente à procura de uma empresa ou de um consultor para ajudar a monitorizar as finanças da cidade.

    Dan O’Flaherty, professor de economia da Universidade de Columbia e ex-administrador de empresas da cidade, disse que a supervisão do estado pode ajudar a estabilizar as finanças de Newark.

    A empresa Moody, que baixou a classificação da dívida de longo prazo da cidade, em Maio, já argumentou que a supervisão por parte do estado das finanças de Newark seria um “crédito” positivo “para a cidade.

    “O que é bom é a cautela com que o estado vai tratar das finanças de Newark. Por outro lado o que é mau é o excesso de burocracia que pode advir dessa supervisão,”disse O’Flaherty relacionando o envolvimento do estado na área financeira da cidade de Newark.