Encarregados de educação protestaram contra o One Newark Program

1603

IMG_2669

Na passada terça-feira, os encarregados de educação da cidade de Newark deram uma resposta cabal à superintendente escolar Cami Anderson e às directrizes do governador Christie sobre a educação em Newark, um rotundo não ao “One Newark Program” e um sim a um melhor sistema educativo depois de vinte anos debaixo da tutela estatal sem resultados práticos. A reunião do conselho escolar de Newark realizou-se no auditório da First Avenue School no Bairro Norte. Mais de quinhentas pessoas marcaram presença no auditório e outras tantas desafiaram o frio e permaneceram na cafetaria da escola, por falta de lugares disponíveis. Na assistência, para além de estudantes e professores, foram notados os vereadores Aníbal Ramos, Mildred Crump e Ras Baraka, que abertamente já se manifestaram contra o programa. Também na assistência, Randi Weingarten, da Federação de Professores Americanos, marcou presença, entre outras individualidades. Depois dos formalismos inerentes ao acto, como o reconhecimento de encarregados de educação e estudantes e a tomada de posse de Phil Sellinger como membro do “Advisory Board’, foi apresentada uma moção estratégica para alterar a ordem dos trabalhos, de modo a permitir a participação dos encarregados de educação. Estava dado o mote para que a agenda dos pais fosse cumprida. Primeiro, cerca de doze estudantes, todos eles com papéis na boca com a palavra “silent”, apresentaram razões porque o programa da superintendente é manifestamente mau para os estudantes. De seguida, Randi Weingarten, deu o mote e referiu “em vez de estar em Washington na apresentação do discurso de estado estou em Newark, pois os olhos da nação estão em Newark”. Para de seguida referir “reconsidera Cami, pois estás errada”. A plateia incendiou e incendiou ainda mais com os testemunhos de encarregados de educação, entre eles Frankie Adão, o luso-descendente presidente da Parents Against Newark. Cami aguentou estoicamente até ao momento que Natasha Allen, uma das encarregadas de educação presentes discursou e apontou o dedo a Cami, “ tu não queres para os nossos jovens afro-americanos ( Brown babies) o que tu queres para o teu filho afro-americano (Brown baby)?”. Foi a gota de água. Cami Anderson tem um filho de uma relação com um afro-americano e começou a sussurra “a minha família não, a minha família não”. E abandonou a sala com o seu staff, debaixo de um coro de palmas e das palavras da ordem “Cami must go”. Imediatamente depois a presidente do Concelho escolar Antoniette Baskerville-Richardson referiu, “a reunião continua, esta é uma oportunidade para mostrar que estamos prontos para conduzir estas reuniões”, numa clara alusão ao facto de o estado manter o controle das escolas de Newark há mais de vinte anos sem resultados práticos. O “One Newark Program” visa reestruturar as escolas de Newark à custa do encerramento e reorganização de mais de uma dezena de escolas, ao mesmo tempo que permite a proliferação das chamadas Charter Schools, e sofreu um duro revés. A administração e a superintendente escolar tiveram mais uma demonstração da vontade expressa dos encarregados de educação, dos professores e dos alunos. As inscrições para o programa continuam a decorrer e novos capítulos por certo terão lugar com a situação a ganhar contornos nacionais, mais a mais com os sucessivos escândalos envolvendo Chris Christie, o mentor do projecto, como referiu o conhecido jornalista Bob Braun.