ELIZABETH, NJ | ‘Projectos do Meu Coração’ é como Maria Costa descreve o talento que lhe está nas veias desde criança mas a que só agora está a dar forma

    966

    Costa 14

    Embora o talento seja uma aptidão natural, que também pode ser adquirido desde que para isso exista disposição e habilidade, é um dom que se não for estimulado pode vir a perder-se e só mais tarde ser reencontrado.

    A Maria Costa desde criança que lá na sua terrinha, Parada, Carregal do Sal, aproveitava os trapos velhos para fazer o fato usado pelas suas bonecas, fazia rascunhos que na escola os colegas achavam bonitos, e chegou mesmo a fazer quadros com a colagem de folhas de árvores. Tudo por intuição natural, sem formas pré-concebidas, tal como lhe vinha à mente. Sabia que o avô era ferreiro e construía figuras engraçadas com o ferro, e que o pai é que fazia os brinquedos para os filhos, mas tudo isso não passava de situações normais, do que é ter talento pouco ou nada sabia.

    Com o passar dos anos fazer coisas novas no campo das artes continuou a seduzi-la, mas os trabalhos que concluía não chegavam, e alguns ainda não chegaram, a ver a luz do dia. E ainda lá está pendurado, em sua casa, o primeiro quadro que pintou assim como outros com figuras que imaginava, como por exemplo de um cão que gostava de ter e que mais tarde se concretizou.

    “Não sei, fazia as coisas de que gostava mas só para mim, não sentia necessidade de as dar a conhecer”, é como a Maria Costa explica o rumo que dava aos seus trabalhos, que constituem umas boa e valiosa colecção.

    Mas que não é bem assim contrapõe a sua irmã e dinamizadora, alegando que foi o excesso de modéstia quem impediu que os muitos e variados trabalhos não tivessem sido dados a conhecer há mais tempo.

    Entretanto a Maria Costa reconheceu que a arte é uma terapia, como ela própria afirma, e lançou-se de alma e coração naquilo que mais gosta de fazer, até mesmo com fins comerciais muito embora não seja a sua actividade primária.

    “Em média dedico cerca de três horas por dia a esta actividade, o que me satisfaz plenamente e o que me faz sentir realizada”, diz a Maria Costa.

    Adornos de várias espécies e feitios, brincos, anéis, pulseiras, colares, cachecóis e gorros de várias cores e feitios, máscaras para o carnaval, roupa para cachorros, bonecas e roupa para as mesmas, carteiras para telefones, são alguns dos objectos que fabrica, tudo manualmente. Pinturas, quadros preparados com folhas de árvores, ornamentos para paredes, são outros dos trabalhos que fazem parte do embelezamento de uma residência.

    Resta acrescentar de que a maior parte dos produtos para fabrico são matérias reciclados como papel em folha ou moído, latas de alumínio, tampas das latas, folhas secas, botões, alfinetes, e outros. E só com muita imaginação se pode perspectivar pulseiras feitas de alfinetes ou carteiras para os telefones feitas de papel de jornal, mas para a criadora os materiais não determinam o fim para que são usados, é só uma questão de adaptá-los.

    Outra característica do talento e espírito criador da Maria Costa, é que nada é projectado antecipadamente, nem duas peças têm de ser iguais.

    “Aquilo que me sai da mente, o modelo, a cor, o feitio, é o que vai ser fabricado, e como se pode ver (no local onde estavam expostas centenas de peças para nossa apreciação) pouco ou nada é igual, tudo depende da inspiração na altura”, afirma a Maria, que não tem casa de negócio aberta, trabalha e atende os clientes na sua própria residência.

    Já foram feitas duas exposições com muito sucesso, uma em Maplewood e outra em East Orange, o que trouxe muita clientela e muito contribuiu para a divulgação dos produtos.

    Também fornece uma conhecida “Boutique” na área, onde as vendas são muito assinaláveis.

    Quanto à questão se é um negócio rentável a Maria Costa insiste que o principal objectivo é dar largas ao seu talento e à sua imaginação, muito embora o tempo deva ser compensado e a despesa com os produtos para fabrico deva ser amortizada.

    Que a arte está ali expressa isso é um facto, razão porque designou o seu empreedimento como “Projectos do Meu Coração”

    A Maria Costa pode ser contactada pelo tel.908-316-4758 (cell) ou 973-923-5699.