Discurso do Estado da Nação virado para as Presidenciais de 2016

    1151

    Barack Obama

    O presidente norte-americano destacou a entrada dos Estados Unidos numa nova era económica. “Esta noite, vamos virar a página” de uma “recessão violenta”.

    Obama propôs um aumento da carga fiscal sobre as famílias mais ricas, afirmando que iria fornecer detalhes ao Congresso em duas semanas. “Será que vamos aceitar uma economia em que só alguns estão a ter resultados espetaculares?”

    O líder norte-americano pediu também para fazer avançar os acordos de livre comércio com a União Europeia e a região da Ásia-Pacífico, solicitando ao Congresso a adopção de um “procedimento acelerado” de negociação.

     

    Irão:

    Novas sanções contra o Irão traduzir-se-iam no “fracasso da diplomacia”, declarou Obama.

    “A nossa diplomacia está a trabalhar com respeito pelo Irão, onde, pela primeira vez numa década, parámos o avanço do programa nuclear e reduzimos o ”stock’ do material nuclear”.

    O líder norte-americano disse ainda que, até à primavera, os Estados Unidos têm a oportunidade de poder negociar um acordo completo que impeça o Irão de ter armas nucleares.

    “Não há nenhuma garantia que as negociações sejam coroadas de sucesso (…), mas novas sanções vão deitar por terra os esforços diplomáticos. Isso não faz sentido”, disse ao manifestar o seu veto.

     

    Cuba:

    O presidente dos Estados Unidos pediu ao Congresso para levantar o embargo económico contra Cuba, no quadro da reaproximação histórica entre os dois países.

    “Este ano, o Congresso deverá começar a trabalhar para acabar com o embargo” que Washington impôs a Havana há mais de meio século, insistiu.

     

    Terrorismo:

    Os Estados Unidos e os seus aliados vão vencer o grupo Estado Islâmico (EI), mas “esta ação vai demorar tempo”, afirmou Obama, ao defender que o país está solidário com todas as vítimas do terrorismo, desde “uma escola no Paquistão até às ruas de Paris”.

    “Vamos continuar a perseguir os terroristas e a destruir as suas redes e reservamo-nos o direito de agir unilateralmente, conforme temos feito desde que fui eleito, para eliminar os terroristas que representam uma ameaça directa para nós e para os nossos aliados”, declarou, perante o Congresso.

     

    Rússia-Ucrânia:

    “Defendemos o princípio de que as grandes potências não podem intimidar os pequenos países e opomo-nos à agressão russa, apoiando a democracia na Ucrânia e tranquilizando os nossos aliados da NATO”.

    “No ano passado, quando estávamos a trabalhar bastante para impor sanções com nossos aliados, alguns sugeriram que a agressão (do presidente russo) Vladimir Putin era uma demonstração magistral de estratégia e de força”, continuou Barack Obama.

    O presidente norte-americano sublinhou que “hoje são os Estados Unidos que estão fortes e unidos com os seus aliados, enquanto a Rússia está isolada e a sua economia está a desmoronar-se”.

     

    Guantánamo:

    Barack Obama garantiu não desistir dos seus esforços para encerrar a prisão situada na base norte-americana de Guantánamo, em Cuba, conforme prometeu no início do seu mandato. “É tempo de acabar o trabalho. Estou decidido e não vou desistir até encerramos a prisão”, afirmou Obama.

    Segundo a agência noticiosa Efe, actualmente permanecem 122 presos no centro prisional de Guantánamo, aberto pela administração de George W. Bush após os atentados de 11 de setembro de 2011 nos Estados Unidos e que foi destinado a albergar detidos suspeitos de terrorismo.

     

    Antissemitismo:

    O presidente dos Estados Unidos denunciou também o ressurgimento do antissemitismo em “certas partes do mundo” e condenou os “estereótipos” contra os muçulmanos.

    “Como americanos, nós respeitamos a dignidade humana (…). É por isso que nos expressamos contra o deplorável ressurgimento do antissemitismo em algumas partes do mundo. É por isso que continuamos a rejeitar estereótipos insultantes contra os muçulmanos, cuja grande maioria partilha o nosso compromisso para com a paz”, apontou.

    O discurso de Obama foi aplaudido pela bancada democrata e criticado como é óbio, pelos republicanos.