Depois de percorrer Portugal de lés-a-lés em moto, agora é a vez das Américas

    1748

    Jorge Serpa.moto

    Jorge Serpa, autor do livro “Slow Roads!”, em que “apresenta treze roteiros pitorescos cuidadosamente seleccionados que levam o visitante aos melhores locais campestres e vilas históricas de Portugal, oferecendo sugestões sobre onde parar para provar o que de melhor há na gastronomia portuguesa”, está agora a preparar uma viagem que poderá cobrir as Américas, do Alasca à Terra do Fogo.

    “Os meus planos preliminares incluem fazer encetar a minha viagem em Washington, DC rumo ao Alasca, e terminar na Terra do Fogo, se conseguir arranjar patrocínios suficientes que me ajudem a custear as despesas”, revela Jorge Serpa ao Luso-Americano, adiantando que caso não consiga esse tipo de apoio, a sua viagem ficará reduzida a um percurso entre Washington, DC em direcção ao Alasca, descendo para o Panamá pela costa do Pacífico, e depois o regresso a DC via estados do sul.

    A concretizar-se a hipótese do primeiro itinerário, Jorge Serpa sairá de Washington, DC no início de Agosto em direcção ao Alasca, passando pelo Yellowstone National Park, descendo depois pela estrada da Costa Oeste dos EUA até San Francisco e Big Sur, mudando depois para o Nevada, Utah e Arizona. Jorge Serpa atravessará depois o México, San Salvador, Honduras, Nicarágua e Costa Rica, para o Panamá, onde tenciona chegar em finais de Novembro.

    “Nessa altura viajarei de barco para o Ecuador e de lá de avião para Washington, DC, para passar o Natal com a família”, explicou Jorge Serpa.No início de Janeiro Jorge Serpa voará de regresso ao Panamá, de onde irá de barco para o Ecuador, para, a partir daí, atravessar o Peru em direcção ao Brasil (e por barco, continuará para Iquitos, no Peru, Letícia na Colômbia, e Manaus, no Brasil). Continuando para sul, para o Rio de Janeiro e Curitiba, a viagem irá incluir uma passagem obrigatória nas quedas de Iguaçu (e um pequeno desvio para visitar a Ciudad del Este, no Paraguai).Continuando na direcção sul, o percurso inclui ainda o Rio Grande do Sul, no Brasil, Montevideu no Uruguai e Buenos Aires na Argentina, uma travessia para Ushuaia (capital da Terra do Fogo, Antártida e Islas del Atlántico Sur Province, Argentina), regresso em direcção a Santiago do Chile, permanecendo mais próximo dos Andes (e atravessando-os junto a Bariloche).

    Atravessar Atacama no norte do Chile, visitar Machu Picchu e Cusco no Peru, continuar para a Bolívia e o lago Titicaca, e entrar no Brasil via região do Pantanal, continuando depois em direcção ao Rio de Janeiro (passando por Brasília e Belo Horizonte), completarão o troço final desta aventura que o autor sonha em concretizar.

     

    40.000 dólares

    e 31.000 milhas

     

    “Esta viagem está orçada em aproximadamente $40,000, e integrará cerca de 31.000 milhas (50.000 km), das quais cerca de 15.000 milhas (24.000 km) na I Parte, e cerca de 16.000 milhas (26.000 km) na II Parte”, revela Jorge Serpa.

    “A moto que irei utilizar nesta minha viagem é uma BMW GS 1200 Adventure. Esta moto é considerada a avózinha das motos de longa distância (touring and adventure). Com um motor 1200 cc, e com um manuseamento perfeito, esta moto oferece todas as condições para conduzir em todos os tipos de estrada, sejam elas de terra batida ou alcatroadas, com ou sem elas, ou em terreno plano ou acidentado”, afirma o aventureiro Jorge Serpa.

    Mas Jorge Serpa não é nenhum novato neste tipo de aventuras. Senão, vejamos o tipo de preparação adquirida ao longo dos anos:

    • Travessia do Atlântico do Brasil para os EUA num veleiro de 35 pés (em 2000)

    • Participação numa viagem/corrida num veleiro de 40 pés no Mediterrâneo (2000-2001)

    • Travessia do Atlântico norte desde Portugal para os EUA num veleiro de 39 pés (2001-2002).

    • Conduzir cerca de 30.000 km no Chad, Níger, Nigéria e Camarões (2005-2008).

    • Inúmeras viagens por terra entre Lisboa e Marrocos (2007-2009).

    • Viajar extensivamente por carro e moto pela Europa (2008-2010).

    • Completar uma viagem à Volta do Mundo por “meios de transporte alternativos”, incluindo a travessia dos EUA em comboios Amtrak, atravessar o Pacífico num navio cargueiro, e atravessar a Ásia nos comboios Trans Mongólia e Trans Sibéria (2009); e

    • Viajar de moto entre Paris e Lisboa, seguindo depois para a Guiné-Bissau, na África (2010).

    O autor

    Jorge M. Serpa é filho de pai alentejano (Estremoz) e de mãe de Torres Novas, nasceu em Lisboa e cresceu em Moçambique. Possui um BS e um MS em Engenharia Mecânica da University of Rhode Island, e um MBA da Georgetown University. É casado e tem dois filhos. “Após o meu MBA trabalhei na área da energia eléctrica e gás natural. Curiosamente, trabalhei muitos anos para a PSEG, a holding da Public Service Electric & Gas. “Abri” os escritórios da PSEG Global no Brasil, e fui responsável pela aquisição em 1997 da Rio Grande Energia — uma distribuidora de energia eléctrica no estado do Rio Grande do Sul no Brasil. Em 1999 mudei-me para a Enron… (Bad move!) Desde 2000 que sou, como diria,… “dono de casa!” …ou talvez “doméstico” ou “marido!” Explico-me: desde então dedico-me a apoiar em casa a carreira da minha mulher. Hoje, que os nossos filhos são (mais) adultos, também viajo um pouco…!”

    Escrever sobre os locais que visita é uma consequência inerente a todas as viagens que o aventureiro/autor fez e continua a fazer por esse mundo fora, e por certo esta poderá resultar num trabalho interessante não só para quem pretenda reproduzir a proeza, ou simplesmente deleitar-se com a leitura e sonhar com paragens longínquas que nos povoam o nosso imaginário.

    Para já, o autor planeia em contribuir com alguns artigos que prometeu enviar para os leitores do Luso-Americano.

    Para mais informações ou para patrocinar esta aventura, interessados podem aceder a www.TheAmericas-TTB.com.