Charlatão americano de New Jersey engana Timor Leste e arrecada mais de 3 milhões de dólares

    1143

    BobbyBoye

    Timor Leste, ainda com uma economia peroclitante, realizou a sua primeira auditoria às petrolíferas, responsáveis por cerca de 90% das suas receitas. Estas empresas eram autoavaliadas, mas descobriu-se agora que estavam a ser enganadas.

    Bobbye Boye, um norte americano com um vasto curriculo foi detido em Junho de 2014 pelo FBI no aeroporto de Newark, após queixa das autoridades timorenses, acusado de ter lesado a economia do país em mais de 3 milhões e meio de dólares.

    O trabalho de Boye consistia na emissão dos documentos fiscais formais para recuperação de receita não declarada. Boye conseguiu de forma brilhante enganar o erário público forçando as companhias de petróleo a desenbolsar mais de US$ 350 milhões, aproveitando-se de parte do dinheiro.

    Só mais tarde as autoridades descobriram que se tratava de um criminoso condenado, um charlatãoque alegadamente burlou a Tesouraria de Timor-Leste.

    No entanto, o governo de Timor Leste não foi o primeiro a saber quem era na verdade o norte-americano.

    E-mails obtidos pela Fairfax Media, juntamente com extratos de entrevistas com pessoas envolvidas no negócio, atestam que, pelo menos uma dúzia de pessoas que trabalham para a indústria de petróleo e gás sabiam do passado criminoso de Boye.

    A empresa petrolífera ConocoPhillips entre outras, foi lesada por Boye.

    Para Pierre-Richard Prosper, associado da empresa de advocacia internacional Arent Fox, que trabalha em Timor-Leste, a recusa em partilhar a informação foi “chocante e terrível”.

    Fontes da indústria de petróleo e e-mails obtidos pela Fairfax Mídia revelam que Boye se tornou suspeito em Dezembro de 2010, quando um website local influente, o La’o Hamutuk, publicou uma reportagem sobre as empresas petrolíferas que estavam a roubar tributação em Timor-Leste.

    Face a estas suspeitas, a indústria de petróleo fez novas investigações, com recurso a investigadores e advogados privados para tentar saber o andava a fazer Boye. O que descobriram eram muito mais grave do que uma pequena artimanha fiscal.

    Foram analisados e-mails enviados em Junho de 2011. Um deles tinha o título; “Um vigarista nigeriano no meio de nós?”, Descobriu-se mais tarde que as credenciais do niger-americano eram falsas. Nunca estudou em Cambridge nem trabalhou na Chevron ou nos escritórios de advogados internacionais Clifford Chance. E como a verdade vem sempre ao de cima, as investigações que se seguiram mostraram que as irregularidades poderiam ter sido facilmente detectadas através de anáslise à documentação e a registos públicos do homem.

    As investigações descobriram mais uma evidência do passado desagradável de Boye. Este tinha cumprido uma pena de três anos de prisão na Califórnia por peculato em 2007 e foi banido para sempre pela New York Stock Exchange após defraudar alguns dos seus clientes em 2004.

    Em meados de 2012, apareceu a Opus & Best, uma empresa que ganhou um contrato lucrativo para prestar consultadoria fiscal ao governo timorense.

    De acordo com e-mails obtidos pela Fairfax Media, a ConocoPhillips deduziu que a empresa foi registada quatro dias depois de ter sido adjudicado o contrato.

    A Opus & Best foi secretamente propriedade de Boye, que usou a empresa fictícia para desviar 3,5 milhões dólares. Foi ele próprio que esteve presente na assinatura da escritura da empresa usando a sua influência para atribuir o contrato do governo à Opus & Best.

    De acordo com o FBI, Boye comprou um Rolls-Royce, um Bentley Continental e um Range Rover, e gastou mais de 30 mil dólares em relógios, possuindo ainda propriedades em New Jersey.

    Timor-Leste é o país mais dependente de petróleo do mundo. As suas receitas proveem apenas de dois campos no Mar de Timor. onde a ConocoPhillips é accionista maioritária.

    Enquanto Timor-Leste possui um orçamento anual de 1.6 biliões de dólares, a ConocoPhillips teve uma receita de 57 billiões no ano passado. O seu valor de mercado é de 100 biliões. Descreve-se como a maior empresa de produção e exploração de gás independente do mundo e está entre os 25 maiores produtores de petróleo do mundo.

    Os 3,5 milhões de dólares que Boye teria alegadamente desviado de Timor-Leste é o equivalente a quase um mês de orçamento para a saúde da pequena nação.

    Para que isto não bastasse, foi o governo norueguês que contratou Boye e o mandou para o Timor-Leste no âmbito do seu programa de ajuda. A sua inépcia em verificar as suas credenciais foi surpreendente.

    Segundo a imprensa norueguesa, Boye tinha uma empresa listada a 3D Systems e foi através desta empresa que Boye conseguiu lavar 250 mil dólares, razão pela qual foi condenado a dois anos de prisão.

    Tudo isto, consta no registro público.

     

    BOBBYE BOYE

    Banqueiro de investimento, advogado tributista.

    Nascido em 1963 na Nigéria, torna-se cidadão norte-americano. Outros nomes de Boye. Bobbye Ajiboye, Bobbye Aji-Boye.

    1998- Funcionário da Morgan Stanley. Cometeu fraudes e foi banido da bolsa.

    2002-2005 – 3D Systems, pioneira na impressão 3D, o que o levou à prisão em 2006 na Califórnia.

    2007 – Considerado culpado de defraudar a 3D Systems em mais de 250 mil dólares. Serve uma pena de prisão por roubo, lavagem de dinheiro e perjúrio.

    2010 Obtem licença limitada para a prática do direito internacional, em New York, citando uma formação jurídica nigeriana.

    Julho 2010 – Começa como consultor jurídico de impostos sobre o petróleo para o governo de Timor-Leste, contratado e financiado pela Noruega. Tinha um salário de aproximadamente 350.000 por ano. Falsificou documentos para atestar que estudou na Universidade de Cambridge, trabalhou na Chevron e nos escritórios de advocacia Clifford Chance.

    Dezembro 2012 – Boye forma a sua empresa Opus & Best. depositando os serviços na sua própria conta bancária.

    Abril 2013 – Foge de Timor-Leste.

    Maio 2013 – O governo de Timor-Leste pede ajuda ao FBI e no dia 19 de Junho de 2014 é preso no Aeroporto Internacional de Newark pelo FBI.