CASA: LIVRE-SE DA TRALHA

    1739

    TRALHA

    Ao longo do tempo, acabamos por acumular demasiada tralha, por causa do sentimentalismo ou da falta de tempo para dar uma arrumação geral à casa. Em nome da ordem e da sanidade mental, livre-se delas!

    1 – Os bibelots que nos oferecem no Natal – os ‘apanha-pó’, como também são conhecidos. Só servem para dar trabalho a limpar.

    2 – Chávenas sem asa ou com amolgadelas, que guardou só para o serviço de café não ficar ‘coxo’. Até pode ferir-se nelas e estão a ocupar espaço vital no armário da loiça.

    3 – Aquela pilha de jornais e revistas com anos, que guardou religiosamente para consultas futuras mas que não voltou a abrir.

    4 – Metade dos frascos de vidro que guardou para o caso de precisar de um. Reciclagem com eles!

    5 – Caixas de plástico sem tampa e tampas sem caixas de plástico. Fora com elas.

    6 – As 20 meias orfãs de par que esperam o regresso da gémea desaparecida. Geralmente nunca aparecem e ficam a ocupar espaço válido numa gaveta já de si sobrelotada.

    7 – Os sacos de plástico que guardou à espera de reutilizar – não reutiliza metade e, quando dá conta, tem um monstro a viver debaixo do lava-louças ou ao canto da despensa.

    8 – Sapatos velhos. Não gosta deles? Dê-os. Adorava-os mas já não estão minimamente em condições? Lixo!

    9 – T-shirts do tempo em que ainda andava no liceu, desbotadas e comidas pela traça, que guarda para andar por casa, fazer limpezas ou ir correr. Ok, guarde uma ou duas. Das outras 18 não vai precisar.

    10 – Todos os envelopes/post its/ papéis velhos onde assentou números de telefone e contactos para não se esquecer. Tire meia hora do seu dia para os incluir na sua agenda e livrar-se dessa tralha na secretária.

    11 – Todos os recibos velhos, bilhetes de autocarro, listas de supermercado e demais papelada inútil que se acumula nos bolsos dos casacos e na carteira como uma praga.

    12 – Calendários antigos. O de 2013 ainda pode estar por aí, escondido atrás da porta da cozinha.

    13 – Livros que detestou. Faça doações a amigos ou instituições ou venda-os numa feira de garagem – se não mudaram a sua vida, ainda vão a tempo de mudar a de alguém.

    14 – Brinquedos dos seus filhos, que guarda porque lhe parte o coração dar aquilo. Acabam sempre no sótão e nunca mais ninguém brinca com eles. Será melhor doá-los a uma instituição, para que ainda possam fazer alguma criança feliz.

    15 – Medicamentos fora de prazo. Leve os medicamentos fora de prazo, deteriorados ou que já não vão ser utilizados a uma farmácia, de modo a que possam ser encaminhados para não contaminarem o ambiente.

    16 – Canetas que não escrevem. Toda a gente tem, pelo menos, duas canetas que não escrevem em casa. E há quem tenha estojos inteiros cheios dele. Ou isqueiros sem gás. São sempre as canetas que não escrevem e os isqueiros que não trabalham que aparecem primeiro, quando precisamos de um.

    17 – Acessórios com os quais já não se atrevia a sair à rua; pulseiras e colares velhos e sem valor real, que nunca mais usou e que só se enredam uns nos outros, dentro do guarda-jóias.