Câmara investe 72 mil euros em iluminações de Natal

1697

 

As ruas do centro histórico de Elvas, classificado como Património Mundial, voltam este ano a ser ornamentadas com iluminações de Natal, num investimento municipal de 72 mil euros, informou a autarquia. “Este investimento da Câmara de Elvas, de cerca de 72 mil euros, numa altura de contenção orçamental, só é possível face à gestão financeira equilibrada que a autarquia tem vindo a fazer, ao longo das últimas duas décadas”, salienta o município. Com esta iniciativa, o município raiano pretende “dinamizar o comércio e a economia local, e, simultaneamente, atrair visitantes ao centro histórico de Elvas”, classificado como Património Mundial, pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO). A abertura da iluminação está prevista para sábado à noite e vai manter-se até 6 de Janeiro de 2014, Dia de Reis. Segundo a autarquia, vão estar iluminadas, com as tradicionais ornamentações de Natal, 16 ruas do centro histórico, enquanto na Praça da República vai ser colocada uma árvore de Natal iluminada e, junto à Sé, será montado o habitual presépio para ilustrar a época natalícia. O município de Elvas volta também este ano a instalar uma pista de gelo, a maior da Península Ibérica, durante a quadrade Natal, como forma de atrair turistas, sobretudo espanhóis. A pista de gelo, “com 800 metros  quadrados de diversão e para todas as idades”, funciona desde hoje e até dia 19 de Janeiro de 2014, no coliseu comendador Rondão Almeida, cuja fachada também vai ter iluminação na época festiva. A pista fica instalada em recinto coberto e permite a permanência de dezenas de patinadores em simultâneo. O público proveniente da vizinha Espanha é, anualmente, o que mais procura a infra-estrutura de lazer, a maior pista de gelo em recinto coberto da Península Ibérica. Cerca de 75 por cento dos utilizadores deste equipamento não residem no concelho de Elvas, segundo a autarquia, que considera esta iniciativa como “uma forma eficaz de atrair dezenas de milhar de pessoas à cidade”, com benefícios, sobretudo, para os sectores do comércio e restauração.