Juiz de Newark tinha reduzido caução de assaltante antes de este se ter envolvido no “carjacking” que vitimou um advogado em Short Hills

953

ADVOGADOS

Uma semana antes de envolver directamente no “carjacking” no centro comercial de Short Hills, Hanif Thompson foi visto a assaltar uma propriedade em Newark, entrar num Audi e de se escapar às autoridades, segundo Procuradores do condado de Essex. A polícia de Newark capturou Thompson perto da Weequahic Avenue no dia 8 de Dezembro e prendeu-o sob a acusação de assalto e resistência à autoridade. Ficou detido na prisão do condado até 11 de Dezembro quando um juiz municipal decidiu reduzir a sua fiança de 50 mil para 20 mil dólares ou 10% do total, ou seja 2 mil dólares.

Quatro dias mais tarde, o advogado de Hoboken, Dustin Friedland foi assassinado, vítima de um ataque levado a cabo por Thompson e três outros cúmplices com enormes cadastros policiais – Kevin Roberts, 35 anos, Basim Henry, 32 e Karif Ford de 31 anos. Não foi a primeira vez que Thompson, de 29 anos, foi apanhado nas malhas da lei e detido pela polícia. Os Procuradores confirmam que Thompson já fora o autor de sete crimes como adulto e por duas vezes não compareceu a audiências decretadas pelos tribunais.

em penitenciárias estaduais nos últimos dez anos. Uma primeira, de quatro anos por drogas e a segunda por ter furtado um automóvel em Livingston, NJ., em 2009. Em 2010 foi de novo preso por violação de liberdade condicional. No dia 6 de Outubro, Thompson foi acusado de de posse e distribuição de estupefacientes, após, juntamente com três cumplices ter sido detido após perseguição automóvel em Newark. No dia 9 de Janeiro as autoridades iniciaram o processo de apreensão de cerca de 2.400 dólares em dinheiro encontrados no veículo, assim como alguma quantidade de marijuana e cocaína. Discute-se agora a reforma do sistema de justiça e da necessidade de alterar o processo obtenção do dinheiro das fianças e de manter os marginais fora das cadeias. Um estudo feito em 2008 pelo departamento prisonal concluiu que cerca de 63% de 13 mil presidiários libertados em 2008 tinham cadastro prévio. Um estudo idêntico realizado dois anos antes mostrava que 65% do libertados seriam de novo detidos nos cinco anos posteriores à sua libertação. A opinião pública manifesta-se abertamente contra o sistema judicial aderentre apenas à questão das fianças, ignorando na maior parte dos casos o perigo que as mesmas constituem.