17 câmaras nos cruzamentos deixam de funcionar mas Newark já luta pela sua reactivação

    940

    cameras

    73 câmeras colocadas em cruzamentos de New Jersey vão deixar de operar em menos de duas semanas, mas o Mayor Ras Baraka e um grupo de advogados que representam a cidade vão lutar pela contuinidade da operação das mesmas.

    o legislador Ralph Caputo e a sua colega Grace Spencer, (ambos D-Essex) dizem que planeiam reunir-se com o Mayor Baraka para discutir a questão que ajuda e muito o orçamento da cidade.

    Newark enfrenta uma grave crise económica tem 19 das 63 câmeras na sua área, de longe o município com maior número de câmeras instaladas.

    “Acredito que Baraka queira ver as câmeras a trabalhar outra vez,” disse Caputo, que adiantou apoiar ideia por ser “importante para a cidade.”

    A data de expiração do projecto piloto aas câmeras termina no dia 16 de Dezembro.

    O Departamento de Transportes do estado alega que o funcionamento das câmeras tem conduzido a menos acidentes mas os críticos alegam que o mau funcionamento das mesmas tem conduzido à emissão de multas injustas. Uma das críticas é o tempo curto entre o amarelo e o vermelho, facto que já penalizou cerca de 17 mil condutores em New Jersey.

    Grace Spenver já anunciou que vai apoiar a reactivação das câmeras. Também as empresas fabricantes do equipamento tem lutado ferozmente para manter o projecto de pé.

    Uma das empresas referiu esta semana que em 22 cruzamentos o sistema já reduziu acidentes em 27%.

    Os que contestam a continuidade das câmeras diz que “as câmaras estão a roubar os condutores em New Jersey e que não resta outra alternativa às empresas fabricantes dos sistemas senão lutar pela sua continuidade.”

    Grace Spencer afirma desconhecer ao certo quanto cabe à cidade na utilização das câmeras mas diz que deverão ser entre 5 a 10 milhões.

    “Compreendo que é apenas uma pequena fatia de um orçamento de 800 milhões, mas considero-a necessária,” diz Spencer.

    “Por outro lado o sistema permite à polícia poupar recusos humanos numa altura tão difícil.”